Cartas de Amor aos Mortos de Ava Dellaira

Querido Leitor,

Vamos começar.. esse post de uma maneira diferente, homenageando o livro que mais me marcou esse ano, quem diria que no finalzinho do segundo tempo de 2014, apareceria uma escritora capaz de me dar aquela mexida no meu coração e me fazer pensar no que estou fazendo da minha vida, que rumo estou tomando ..
 Se esta obra me desestabilizou, ela ira fazer de você uma nova pessoas e você vai parar e pensar de que lado você esta indo... e como esta fazendo isso..


Amei todas as cartas de Laurel, para os mortos que ela selecionou, claro que não poderei e nem vou falar de todos aqui, mas algumas partes selecionei para que podemos ter noção do quanto esse livro é aquele livro que te incomoda e te leva a tomar uma decisão de mudança. 


Percebi que de todas as pessoas para quem Laurel escrevia, Kurt Cobain, foi o mais requisitado  e a entendo, entendo o motivo de sua escolha de escolher esse rapaz, homem, pai, esposo, cantor, libertador, herói, destemido, perturbador e contido ser.. 
Em cada carta, percebia que Kurt, Laurel, eu e possivelmente você, temos medo de enfrentar o que somos, o que nós tornamos e no que vamos nós torna em um futuro próximo em meio a dores, perdas e conquistas.. 

Queria fazer esse artigo, um marco e um grito de saudade, pois sempre quis falar na morte de kurt, mas não sabia como .. e esse livro me proporcionou isso..
Ouvi Nirvana pela primeira vez, quando tinha 10 anos e assim como Laurel, me apaixonei pelo cabeludo, a voz rouca que cantava e gritava o que eu sentia, o que eu não podia demonstrar, foi quando comecei a pesquisar sobre o kurt e descobri:

*4 dias após ao meu aniversário de 4 anos, no dia 08/ 04/ 1994, morreu não apenas um herói mais o homem que iria nós ensinar grandes lições uma delas, é fugir da covardia, tentar ao máximo ficar longe dela para que não tenhamos o mesmo fim que o dele.


Escreve isso no dia 04/04/2010 em um diário, no dia do meu aniversário quando recebi meu primeiro cd de rock de verdade- In Utero, eu era uma criança.. que sabia que a morte desse ser.. poderia ser ruim, triste e trágica, mas ainda sim foi um exemplo .. mesmo querendo ser apenas ele mesmo, ele conseguiu construir um universo para todos nós ..


Agradeço a Ava, por ter tido essa brilhante ideia, agradeço por ter me lembrando da minha vida novidade, perdi o amor, mas não perdi a vida..  e ainda posso recomeçar.. 

Vou colocar algumas partes do livro que me chamaram atenção e que gostei bastante..
e que todos vocês gostaram..




de todas as cartas a mais citada pela Laurel foi a carta do Kurt, 
a carta de despedida..
a carta que silenciou uma geração ...
a carta que modificou outras gerações ...




Muito obrigado Kurt..
Muito Obrigada AVA
Muito obrigada Deus, 
Agradeço a oportunidade de aprender ..
que não precisamos viver com medo, 
precisamos viver com força, com capacidade e com inteligência 
Precisamos fugir do desespero
necessitamos correr para as Mudanças.. 

Beijos,
Diário de Uma Contadora de História

Comentários

  1. Nossa, Dany!

    Eu já tinha vontade de ler este livro. Depois do artigo então (...) É uma pena as pessoas, atualmente, darem créditos a enredos sem nexo e até mesmo repetitivos. De fato, este é um livro que é pra ser sentido.

    Adorei o artigo! Parabéns!!!

    Si.

    http://simonepesci.blogspot.com.br/

    http://eoceoi.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Fale o que achou!!

Postagens mais visitadas