quarta-feira, 29 de junho de 2016

Entrevista com Andrei Simões no quadro "Fala Escritor"

Temos o prazer de apresentar mais um escritor Paraense que está fazendo parte das estantes de muitos leitores hoje .. Eu o conheci em um evento e fiquei super empolgada com sua escrita e suas publicações e com isso corri atrás para que o Andrei pudesse falar um pouco da sua trajetória de escritor.. então vamos abrir as portas do Diário para ..
Andrei Simões .. fala escritor .

Conseguimos com Andrei uma pequena biografia dele que publicamos aqui no blog.. caso queiram conhece-lo melhor além de nossa entrevista é só acessar o link.


Entrevista Andrei  Simões


Diário: Olá Andrei, Antes de começarmos a entrevista, queria muito agradecer a oportunidade que você está nos ofertando, conheci seus trabalhos em meio a um evento literário e isso me deixou muito feliz e entusiasmada, pois realmente em nossa região (norte) o número de escritores está aumentado e com isso o índice de leitores também. Neste momento queríamos que você se apresentasse e nos contasse como o dom da escrita chegou até você?
Olá. Sou paraense, escritor, biólogo e professor universitário. A escrita nasceu em mim e apenas se desenvolveu ao longo dos anos. Como ávido leitor, em um momento quis registrar as histórias que surgiam em minha cabeça e para isso peguei papel, caneta e simplesmente escrevi. Ao repetir esta ação centenas de vezes, considerei que sou um escritor.
Diário: Como você falou no evento em que lhe conheci, seus livros possuem temas forte onde um “pouquinho” de terror está presente, esses temas são seus fortes ou você é aberto a qualquer outro tema literário?
Como artista, eu absorvo de tudo, na vida e nas artes e sou um escritor de realismo mágico, essencialmente. Nas últimas obras, particularmente, enveredei pelo terror por opção, por achar que os temas seriam melhor desenvolvidos dentro deste universo. Eu não sou um escritor de terror, eu sou um escritor. E é esta total liberdade que me fascina na literatura. Transformo a páginas em branco no universo que eu quero. 
Diário: Pelo que eu li em seu CLIPPING, sua jornada começou desde muito cedo, queríamos saber como foi sua introdução na área da publicação, você teve muitas dificuldades?
Sim, comecei aos treze, finalizei meu primeiro livro aos quinze anos; porém, como sou muito exigente com o que faço, decidi que ainda havia um longo caminho até alcançar a qualidade necessária para uma boa publicação. Utilizei da internet como plataforma de publicação e entre 1997 e 2005, publiquei mais de 500 textos em blogs, sites, inclusive um livro inteiro chamado “A Espiral”, sendo o primeiro escritor paraense a publicar um livro integralmente na Internet e gratuitamente, em 1999. Quando procurei publicar o Putrefação, consegui convencer a primeira editora que procurei, o que é raro. Então posso dizer que dei sorte e mesmo com as dificuldades advindas nos anos seguintes, preferi esperar o momento certo de publicar a ficar nas intermináveis e incertas filas de publicação das grandes editoras.
Diário: Quais dicas você daria para quem está começando no caminho editorial?
Bem, existem diferenças entre caminho literário e editorial. Quanto ao literário, o conselho é sempre o mesmo: leia muito. Sem leitura, o escritor não consegue manipular a sua principal ferramenta artística e comunicativa, a língua escrita. Quanto à publicação, o conselho é: não queira publicar qualquer coisa que você escreve. Publique algo que você ache ser incrível daqui a dez anos, porque o livro é perene e se você publicar algo ruim, ele estará eternizado e manchando seu nome, nas livrarias, casas, bibliotecas.
Diário: Vamos falar um pouco sobre suas obras, o que vamos encontrar em “Putrefação” (2005) e em “Zon, O Rei do Nada” (2013)?


Putrefação é uma obra de realismo mágico, com elementos de terror, sobre um homem morto, que apodrece em seu caixão em plena consciência de sua morte, enquanto lembra de sua inércia e letargia quando era vivo. É uma obra reflexiva sobre o poder da mudança em nossas vidas, com sustos e reflexões sobre nós mesmos.
Zon é sobre um homem que percebe não existir, ser apenas um personagem desta obra. É um livro existencialista que questiona os papéis de criador e criatura, enquanto cada capítulo conta uma história completa em vários gêneros literários. É um livro sobre a busca de um sentido para nossas existências,  através de alguém que não existe.
São obras que considero ter profundidade reflexiva, mas também creio que são divertidas. Não acredito que algo inteligente precise ser chato ou algo divertido precise ser burro. Precisamos mudar este paradigma em relação a isso.
Diário: Pelas outras entrevistas que já fizemos, todos os escritores deixaram para nós os personagens que mais os marcaram, os que amaram e os que não amaram e os que foram difíceis e fáceis. Pra você Andrei em “Putrefação” e “Zon, O Rei do Nada” existem esses personagens conte para nós?
Existe Zon, ou não existe Zon. Tudo gira em torno dele. Desde o Putrefação, onde ele surge mesmo antes do livro dele ter sido lançado, mas de forma invisível, quase imperceptível. E no livro Zon, ele me cansou mentalmente, pois a cada linha, sentia-me desafiado por ele. Mas depois da publicação do livro, estivemos em paz, apesar da presença dele ainda estar em mim, aguardando apenas o momento onde surgirá novamente em uma obra minha.
Diário: Na escrita destas obras e nas outras em que você participou, tenho quase certeza que existiram grande influências, chegou à hora de você nos falar, quais livros você gosta ou autores que te incentivaram?
Esta pergunta demandaria umas noventa páginas de resposta (risos). Todo escritor é, ou deveria ser, um leitor. Então, de muitas leituras que fiz na vida, há diversos autores que me influenciaram e influenciam. Mas para manter a resposta simples, diria que Allan Poe, Mary Shelley, Kafka, Alan Moore, Guy de Maupassant, Lovecraft, Anne Rice e Clive Barker são minhas maiores influências. Livros mais importantes: Frankenstein, toda a obra de Maupassant e Poe, todo o mito de Chtulhu, Livros de sangue do Barker, As crônicas vampirescas da Rice.
Diário: Na mesma linha das influências, deixe para nós algumas dicas de leituras para enriquecer ainda mais as leituras que temos.
Leiam os clássicos, mas aqueles que interessam em temas. Ler apenas por ler não faz sentido, é preciso identificação. Leiam Frankenstein, Drácula, O médico e o monstro. Há muito mais para se aprender sobre o amor e a vida neste livros do que em muitos livros modernos.
Diário: Sobre as novidades, podemos esperar novos lançamentos? Existe algum projeto já concreto? Podemos esperar alguma série de terror, macabra e cheia de sangue vindo por ai (kkkkk, não ligue pra brincadeira)?
Sangue, como parte essencial da vida, é também parte essencial das minhas obras, então sim, muito sangue virá. Ainda este ano, haverá o lançamento do meu mais novo livro, chamado “Luz – o deus do horror”, no dia 04 de outubro em Belém e 03 de dezembro em São Paulo e no final de outubro também, o relançamento do Putrefação, desta vez em edição bilíngue português/espanhol.
Diário: Como de costume, a última pergunta é reservada para o “Fala Escritor”. Aqui você pode deixar seus links das redes sociais, sites onde podemos adquirir seus livros e datas de eventos que você irá participar, fique a vontade .. e desde já o Blog só agradece sua participar nesse novo projeto de divulgação de novos escritores, boa sorte em sua jornada e que a força da literatura sempre esteja com você.
Agradeço pelo espaço no blog e os parabenizo por esta bela atitude de divulgar literatura em um país culturalmente tão deficitário deste tipo de espaço.
Bem, vocês podem encontrar tudo sobre minha carreira, lançamentos e novidades em minha fanpage:
https://www.facebook.com/andreisimoesescritor/
Muito obrigado!


PARABÉNS PELAS OBRAS.. NOSSO BLOG SÓ LHE OFERECE MAIS SUCESSO E FORÇA .. 
POIS SEMPRE PRECISAMOS DE ESCRITORES PARA TERMOS UMA VIDA COMPLETA ..
OBRIGADA!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fale o que achou!!